8 de maio de 2014

Tráfico de pessoas pode aumentar durante a Copa do Mundo e preocupa deputados mineiros

A preocupação com o tráfico de pessoas que pode aumentar muito durante a Copa do Mundo 2014 e Olimpíadas 2016 cresce a cada dia. Dados sobre das Nações Unidas (ONU) apontam que pelo menos 10 milhões de pessoas são vítimas deste crime que movimenta US$ 32 bilhões. Para tratar o tema a Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) em parceira com 23 entidades da sociedade civil e do poder público preparou o Ciclo de Debates Enfrentamento do Tráfico de Pessoas. O debate aconteceu no Plenário da ALMG nesta quinta-feira 08/05/2014.

Especialistas discutiram como enfrentar este tipo de crime que se desdobra em diversas formas, como por exemplo, o trabalho escravo, a adoção ilegal e a exploração sexual. Também foram abordadas maneiras de prevenção ao crime e a necessidade de se fortalecer uma rede de proteção dentro do estado.

O Coordenador especial de Prevenção à Criminalidade da Secretaria de Estado de Defesa Social de Minas Gerais, Thales Andrade de Souza disse que é preciso consolidar políticas públicas voltadas não só para um grande evento como a Copa do Mundo, mas políticas públicas que se tornem prática constante, práticas diárias. Durante sua apresentação, Thales relatou que desde 2013 o Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas acompanhou 42 casos envolvendo 374 vítimas. Entre os casos estavam venda de crianças, exploração sexual, casamento servil e trabalho escravo.

O deputado João Leite (PSDB), do Bloco Transparência e Resultado da ALMG foi um dos organizadores do ciclo de debates e explica que o tráfico de pessoas é uma das atividades clandestinas mais lucrativa do mundo, mais até do que o tráfico de drogas.

“O país irá receber milhares de turistas, serão necessárias ações severas para coibir o tráfico. Já há uma decisão da Interpol junto com os hotéis de ter informações imediatamente da chegada de estrangeiros para identificar quem é este estrangeiro, identificar se é alguém que esta ligado a crime sexual, a pedofilia ou tráfico humano”, informou o deputado.

Programa de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas

O Governo de Minas esta realizando um levantamento com dados das vítimas do tráfico de pessoas, autores, áreas e regiões do estado mais vulneráveis. A pesquisa norteia o Programa de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas, da Secretaria de Estado de Defesa Social/MG. Também esta previsto a instalação de um posto para recepcionar e identificar possíveis vítimas de tráfico. O Posto Avançado de Atendimento Humanizado ao Migrante será implantado no Aeroporto Internacional Tancredo Neves

O Programa de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas é responsável por elaborar, implementar, executar, monitorar e avaliar ações, planos e projetos relacionados ao combate desse tipo de crime em Minas Gerais. O programa ainda atua na integração das instituições do poder público e da sociedade civil voltadas ao problema. A metodologia de trabalho é baseada em três eixos de atuação: prevenção, atenção às vítimas e aos seus familiares e repressão e responsabilização dos autores.