7 de abril de 2014

Projeto de iniciativa popular que cobra do Governo Federal do PT mais recursos para saúde esta parado no Congresso

Para marcar o Dia Mundial da Saúde, a Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) reuniu profissionais da área médica para debater o quadro atual dos serviços prestados à população. A audiência foi realizada na manhã desta segunda-feira 07/04/2014, a pedido do presidente da Comissão e membro do Bloco Transparência e Resultado da ALMG, deputado Carlos Mosconi (PSDB).

Durante a reunião médicos criticaram as condições de trabalho a que estão submetidos para atuar no sistema público de saúde, a falta de estrutura e o baixo financiamento. O vice-presidente do Conselho Regional de Medicina de Minas Gerais (Cremeg), Fábio Augusto Guerra afirmou que vê “uma piora progressiva nas condições de trabalho e que isto vem desmotivando os profissionais. A falta de infraestrutura prejudica o trabalho dos médicos”.

Mosconi considerou que a raiz do problema esta no baixo financiamento da saúde pública. “O subfinanciamento é o problema dominante, não se consegue oferecer atendimento a saúde sem recursos. Os recursos tem que ser definidos dentro do orçamento da União, dos estados e dos municípios. Infelizmente os municípios, que não tem dinheiro, acabam sendo penalizados porque eles colocam muito mais recursos do que a lei prevê, os estados também lutam com grande dificuldades, mas isto não é suficiente porque quem detém grande parte dos recursos do país é a União e a União não se dispõe a fazer as coisas funcionarem direito”, concluiu o deputado.

A campanha Assine + Saúde que coletou assinaturas para apresentar ao Congresso Nacional um projeto de lei de iniciativa popular que obriga a União a investir mais recursos na saúde foi lembrada pelo deputado Carlos Mosconi. “A campanha coletou mais de dois milhões de assinatura no país e mesmo assim o projeto esta parado no Congresso”, lamentou Mosconi.