23 de janeiro de 2012

PT acelera errando com o modelo das privatizações das rodovias

Trecho da BR-101 entra em leilão para privatização. A notícia não é nada animadora, isso porque o “modelo Dilma” de privatização das rodovias já se mostrou ineficiente, talvez seja por isso, que o edital tenha sido lançado tão discretamente no último dia 18.

O edital concede a exploração de 476 quilômetros entre Espírito Santo e Bahia. Exige investimento de R$ 2,1 bilhões de reais para os próximos 25 anos (período do contrato) e dá ao vencedor da disputa, que será aquele que oferecer a menor tarifa de pedágio, 10 anos para concluir a duplicação de 207 quilômetros. São dez anos para pouco mais de 200 quilômetros, o restante poderá ser feito até 2035. Isso mesmo! A total duplicação da pista pode levar mais de 20 anos, segundo o projeto de concessão.

A deputada Luzia Ferreira (PPS), do Bloco Transparência e Resultado da Assembleia Legilsativa de Minas Gerais (ALMG) se diz inconformada com a notícia. O Governo do PT que sempre se colocou contra as privatizações vem desestatizando as rodovias, “faz isso de forma envergonhada, na surdina e com regras que não beneficiam quem trafega pelas rodovias que são verdadeiras rodovias da morte”, lamenta a deputada.

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Parece mesmo não existir nenhuma preocupação do Governo Federal do PT em atender as prioridades do Brasil. Vale lembrar que esse é um dos trechos mais movimentos do país, por lá circulam centenas de caminhões que atendem principalmente as indústrias de papel e celulose da região. O zelo da União pelas vidas humanas parece ter caído num grande buraco.

O empurra-empurra das obras de melhorias nas rodovias se repete na gestão do PT. No ano passado, jornais noticiaram o status das obras nas rodovias federais privatizadas pelo Governo do PT, ainda na gestão do presidente Lula. De acordo com o Estado de S. Paulo, projetos de concessão leiloados em 2007, que exigiam que obras de melhorias em rodovias federais fossem entregues até 2012 não saíram do papel.