29 de outubro de 2013

Promete e não cumpre: nem metade das 130 mil cisternas para a seca do Nordeste foi entregue pelo governo federal

Promessas vazias e obras inacabadas. São essas as marcas deixadas pelo governo federal do PT nas regiões mais áridas do país. Das 130 mil cisternas que a presidente Dilma Rousseff prometeu entregar até julho deste ano aos atingidos pela seca no Nordeste, apenas 59 mil foram entregues no prazo, o equivalente a 45% do prometidos.

O governo tem demonstrado que não possui políticas públicas eficazes para acabar com o problema da seca no Nordeste e, o pouco que se compromete fazer, não sai do papel. As obras, quando são executadas, caminham em marcha lenta, seja nas pequenas ações como a construção de cisternas, seja em grandes projetos como a Transposição do Rio São Francisco.

 

Fonte: jornal Folha de S. Paulo

A promessa das cisternas faz parte de um pacote de medidas contra a seca anunciadas em abril pela presidente. A lentidão, segundo informou o jornal Folha de S. Paulo, não afeta somente a instalação das cisternas. Houve atraso também na liberação de verbas para perfuração de poços. “Até quando vamos ficar só nos anúncios da permanente campanha eleitoral da presidente da República”, indagou o líder do governo, deputado Bonifácio Mourão (PSDB).

 

O deputado lembrou que, assim como o Nordeste, Minas Gerais também é alvo do descaso e das promessas não cumpridas do governo do PT. “Obras maiores, como a Transposição do São Francisco, no Nordeste, e também aqui em Minas Gerais, como a duplicação da BR-381, o Anel Rodoviário e o metrô de BH, estão todas totalmente esquecidas”, afirmou Mourão.