29 de janeiro de 2015

Por que o PT quer destruir o Escritório de Prioridades Estratégicas?

Não é novidade para ninguém que os governos petistas nunca deram atenção ao planejamento. Populistas e imediatistas, filosofam que desafios complexos podem ser solucionados imediatamente sem visão, sem objetivos, com ações desconexas e pontuais. O timoneiro perdido acredita agora que a solução é quebrar a bússola. Sem rumo, quer fazer em Minas o que seu partido fez no Distrito Federal.

Para o novo governo do PT em Minas não é preciso haver prioridades. Objetivos e estratégias para médio e longo prazos são abdicáveis. Dados e informações que ofereçam o diagnóstico das políticas públicas em andamento no Estado são descartáveis. Buscar funcionários qualificados e motivados para impulsionar a melhoria dos serviços públicos é demérito. É por isso que agora querem extinguir em uma canetada o Escritório de Prioridades Estratégicas que nos últimos anos desempenhou papel crucial para fazer com que Minas deixe de ser conhecido apenas por seus minérios e passe a ser referência internacionalmente por sua inovação e economia dinâmica.

Nos últimos 4 anos, por causa do trabalho do Escritório de Prioridades, Minas fechou parceria com o mais reconhecido instituto de tecnologia do mundo, o MIT (Massachusetts Institute of Technology) e criou um dos maiores programas de startups da América Latina, o SEED (Startups and Entrepreneurship Ecosystem Development). O trabalho do Escritório apontou melhorias e iniciou programas e projetos inovadores nas áreas de educação, defesa social, qualificação para emprego e cidadania. Nada disso é reconhecido pelo PT. Pelo contrário, é todo esse trabalho que agora querem jogar no lixo.

Acostumados a altos cargos e a dinheiro fácil no Governo Federal, os loteadores petistas avançam com fome sobre Minas, mas decepcionam-se com um Estado austero e até então governado com seriedade e responsabilidade. A primeira medida do novo Governo não foi honrar nenhum dos compromissos firmados com o povo mineiro, mas enviar à Assembleia de Minas projeto que extinguisse a atenção aos projetos prioritários e estratégicos do Estado e aumentasse o salário do governador, secretários e primeiro escalão para abarcar melhor os companheiros do poder.
Atordoado com o desafio de substituir um Governo eficiente e sério, que revolucionou a administração pública no Estado e tornou-se referência internacional, Pimentel tenta ganhar a opinião pública com a mesma estratégia que adotou durante a eleição: faltando com a verdade, usando falsos números e informações desmentidas pelo próprio Governo Federal do PT. Os mineiros que o elegeram esperam com ansiedade há quase um mês que o novo Governo enfim tome posse e, com a responsabilidade que é esperada de governantes sérios, tome com o mínimo de competência o leme do Estado que durante os últimos 12 anos honrou seus compromissos e se desenvolveu econômica e socialmente. Não se governa com retórica, muito menos com mágoas. O povo mineiro espera ação, o que não foi visto nesse último mês no Governo do PT.

Bloco Transparência e Resultado