21 de agosto de 2013

O PT e a arte de requentar promessas: PAC Cidades Históricas é apresentado aos mineiros como se fosse um novo programa

A presidente Dilma Rousseff participou na última terça-feira (20/08), em São João Del Rei, lamentavelmente, de mais uma constrangedora cena deste teatro em que se tornou o “PAC Cidades Históricas” e seus sucessivos e falsos anúncios de liberação de recursos e assinaturas de convênios, sempre com a promessa de transferências de verbas bilionárias para a recuperação e proteção do patrimônio histórico nacional e mineiro, tão caros a todos os nós.

O PAC Cidades Históricas foi lançado no dia 21 de outubro de 2009, em Ouro Preto, pelo então ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e pela presidente Dilma Rousseff, à época ministra-chefe da Casa Civil.

A atitude de Dilma foi criticada pelo senador Aécio Neves em nota divulgada após a visita da presidente à cidade mineira:

 

“É inacreditável até onde é capaz de ir o desrespeito do PT e da presidente Dilma com Minas e os mineiros. A presidente voltou a Minas, e sem ter o que apresentar, lançou como se novo fosse, o mesmo programa lançado diversas vezes pelo presidente Lula e por ela mesma, e que, até hoje, não se transformou em realidade.”

Veja o que disse o então presidente Lula no dia 21 de outubro de 2009:

‘O PAC Cidades Históricas é a maior ação conjunta pela revitalização e recuperação das cidades históricas já implantada no nosso país. A iniciativa abrangerá 173 cidades, localizadas em todos os estados brasileiros, com investimento de R$ 890 milhões até 2012, dos quais 140 milhões serão investidos ainda este ano.’

Até hoje, quatro anos depois, nenhum centavo foi investido.

O dia de hoje deve ficar marcado na nossa consciência como mais um dia em que o PT teve a coragem de zombar da memória e da inteligência dos mineiros.

Como a presidente e o PT podem ter tido a coragem de pisar o chão da história de Minas e, ao invés de se desculpar por não terem cumprido o que anunciaram há quatro anos, mentir aos mineiros como se estivessem anunciando um novo benefício ao estado?


Como a presidente e o PT, mesmo sabendo que Minas detém cerca de 60% do patrimônio tombado em nível federal, tem coragem de celebrar o anúncio de apenas 16% dos recursos para o estado?

Até onde vai o desrespeito com Minas Gerais?” – indagou o senador.

 

Na verdade, a arte de requentar promessas tem sido uma constante no governo do PT, como também lembrou o deputado Bonifácio Mourão (PSDB). O parlamentar, que é líder do governo de Minas na Assembleia Legislativa, afirmou que, assim como o PAC das Cidades Históricas, a presidente Dilma já relançou promessas de obras para a BR-381, Anel Rodoviário e metrô de Belo Horizonte.

“Novamente a presidente vem a Minas Gerais prometer o que já foi prometido anos atrás. O PAC das Cidades Históricas já foi prometido por Lula há quatro anos e não foi cumprido até hoje”, criticou. Mourão ressalta que os repetidos anúncios de obras que nunca saem do papel fazem parte da estratégia de marketing do PT. “A volta da presidente a Minas Gerais talvez seja uma orientação dos seus marqueteiros para prometer mais e mais coisas, na tentativa de reagir nas pesquisas nas quais ela está despencando (de avaliação de governo).

 

Leia mais:

Promessas do PAC do PT não são cumpridas e colocam em risco igreja em Ouro Preto. Teto pode desabar a qualquer momento

Matriz de Nossa Senhora da Conceição, em Ouro Preto, receberá escora e obras

Padre desiste de esperar reforma e fecha igreja onde está Aleijadinho