18 de junho de 2014

Governo do PT dá mostras de seu descaso por Minas: Estado está entre os que menos recebem verbas para segurança

Minas Gerais tem ficado à margem dos investimentos do governo federal do PT e os recursos para áreas primordiais, como segurança pública, estão cada vez mais escassos. Nos últimos 11 anos da gestão petista, o Estado ficou entre os que menos receberam investimentos em segurança. Na análise per capita, os recursos destinados à Minas foram de R$ 1,88 por habitante de 2011 a 2013.

Para se ter uma ideia, o Acre, que tem uma população de pouco mais de 730 mil pessoas, recebeu do governo federal para investimentos na área R$ 88,40 para cada habitante desde 2007. Enquanto isso, Minas Gerais que tem população estimada em 19,5 milhões de pessoas teve repasses de R$ 2,71, entre 2003 e 2006, e de R$ 3,63 entre 2007 e 2010 per capita.

Os dados foram divulgados pelo jornal Estado de Minas e revelam, segundo o deputado João Leite (PSDB), um “total descaso de um governo que abandonou Minas Gerais”. Para o parlamentar, em quase 12 anos de governo o PT virou as costas para os mineiros. “Minas, que possui 25% da malha rodoviária federal vem sofrendo com presença de contrabandistas de armas e explosivos, traficantes de drogas e de pessoas, encontra-se completamente abandona pelo governo federal”, criticou.

Deputado João Leite (PSDB)

João Leite enfatizou a importância de uma gestão republicana no Brasil, o que não tem sido privilegiado no governo do PT. “Ao deixar de investir em segurança, o governo federal pode achar que irá atingir os partidos que comandam o Estado, mas não. Eles atingem são os cidadãos, o povo brasileiro”, explicou.

Baixa execução orçamentária

À reportagem do Estado de Minas, o deputado federal Domingos Sávio (PSDB-MG) , afirmou que os números do investimentos em segurança retratam a irresponsabilidade do Palácio do Planalto com o combate à criminalidade. Segundo ele, um exemplo da falta de compromisso do governo é a baixa execução orçamentária no setor. “Entre os R$ 10 bilhões aprovados para o programa ProVida, foram realmente aplicados R$ 3,6 bilhões”.