6 de janeiro de 2012

Favorecimento político: Pernambuco, estado do ministro Fernando Bezerra, fica com 90% das verbas antienchentes

Os meses de dezembro e janeiro são sempre épocas em que há uma maior incidência de chuvas e, consequentemente, mais ricos de desastres naturais. Neste ano de 2012, assim como no ano passado, não foi diferente: a chuva fez estragos em diversas cidades do país, em especial nas de Minas Gerais e do Rio de Janeiro. Em muitos casos, a situação é devassadora e, enquanto isso, o Ministério de Integração Nacional concentrou quase 90% das verbas destinadas à prevenção de desastres ao estado de Pernambuco, terra natal do ministro Fernando Bezerra e onde não houve no registro de nenhum municípios em situação de emergência.

A postura do Ministério da Integração Nacional diante das demandas reais da população brasileira deveria ser mais republicana e não baseada em interesses eleitorais, conforme avaliou a deputada Luzia Ferreira (PPS), do Bloco Transparência e Resultado da Assembleia Legislativa de minas Gerais. “Nós temos um Brasil imenso aonde não cabe essa prática do companheirismo, do fisiologismo e do clientelismo na distribuição de verbas que são públicas, ou seja, de todos os brasileiros”.

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Os municípios com maior risco de enchentes e deslizamentos do país, e aí se inclui Minas Gerais, receberam apenas 1,5% desta verba. O mais assustador é saber que, mesmo não tendo municípios na lista que supostamente seria objeto de prioridade das ações do Governo Federal, Pernambuco abocanhou quase todo o dinheiro que deveria estar sendo usado por outros estados que, de fato, foram prejudicados pelas chuvas. Isso demonstra a o claro interesse de favorecimento político do ministro à sua base eleitoral.

O levantamento  dos recursos destinados à prevenção a danos naturais foi feito com base nos gastos autorizados em 2011 e pagos até o fim do ano no Programa de Prevenção e Preparação para Desastres, da Integração Nacional. Os números foram divulgados pelos veículos de comunicação de todo o país e podem ser vistos na reportagem do jornal Estado de Minas do último dia 04 de janeiro.

Os dados mostram ainda que, em 2011, a Integração gastou quase seis vezes mais para enfrentar efeito dos desastres naturais do que para preveni-los. Nos últimos oito anos, os gastos com respostas a desastres foram oito vezes maiores do que com prevenção.

Em Minas
O governador Antonio Anastasia afirmou que o Governo de Minas não poupará esforços para devolver a normalidade às famílias mineiras que vivem nas cidades atingidas pelas fortes chuvas. Segundo o governador, a prioridade é evitar a perda de vidas humanas e determinou a intensificação dos trabalhos da Defesa Civil para minimizar os efeitos da chuva. Ele afirmou que o Estado vai atuar em parceria com as prefeituras e com o Governo Federal para garantir os recursos necessários à reconstrução das cidades.

Em Guidoval, uma das cidades mais castigadas no Estado, o governador determinou aos técnicos do Departamento de Estrada de Rodagem (DER) a imediata reconstrução da ponte sobre o Rio Pomba, destruída pela ação das chuvas. A elaboração do projeto e a empresa responsável pela obra deverão ser contratadas em caráter emergencial. Uma ponte provisória deverá ser construída com a ajuda do Exército. Ele também determinou a melhoria do acesso da estrada que liga Guidoval ao município de Dona Euzébia, para garantir a mobilidade dos moradores.

 

Leia mais:

Com verba pública, ministro tenta projetar filho em Petrolina

Governo federal deixou de gastar R$ 529 milhões contra cheias

Bezerra diz que Pernambuco não pode ser discriminado

Governador Anastasia intensifica ações para minimizar efeitos das chuvas no Estado