24 de setembro de 2013

Estradas federais estão cada vez mais precárias e Dnit ainda reduz seus investimentos em 20%

A ineficiência do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) em aplicar recursos nas obras de ampliação e recuperação das principais rodovias federais do país é cada vez mais preocupante. Só de janeiro a agosto deste ano, os investimentos do órgão caíram 20%. De acordo com o portal Contas Abertas, essa redução equivale a R$ 1,1 bilhão.

Esta falta de investimentos se reflete cada vez mais na precariedade da malha viária que corta o país, além de demonstrar o descaso do governo federal do PT com os grandes gargalos de infraestrutura e transportes nacionais. O resultado é este que se vê Brasil afora: BRs perigosas, sinuosas, com pistas simples e asfalto deteriorado, isso quando se tem asfalto, porque muitas BRs ainda são estrada de terra.

O líder do governo na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), deputado Bonifácio Mourão (PSDB), enfatizou que, enquanto isso a BR-381, o Anel Rodoviário, a BR-040 e outras importantes obras em Minas Gerais estão por fazer.

O deputado lembrou que esta falta de investimentos do governo federal acontece também e outras áreas. “A saúde, por exemplo, está numa situação lamentavelmente precária, assim com tantas outras áreas. É preciso que a presidente Dilma Rousseff se lembre dessas coisas, se lembre de Minas Gerais e do Brasil”.

Concessões

Para amenizar o caos que assola as estradas do Brasil, o portal Contas Abertas aponta as concessões de rodoviais como o melhor caminho a ser seguido. Mas mesmo assim, o governo federal ainda enfrenta sérias dificuldades em liberar editais, cumprir cronogramas e promover as licitações.

Lideranças do governo que sempre criticaram as privatizações estão tendo que reconhecer que, por este processo, é possível acelerar a economia e destravar os investimentos. Mas para que as privatizações, ou concessões como preferem os petistas chamar, avancem é preciso planejamento e eficiência de gestão.