17 de março de 2013

Descontrole do Governo Federal do PT pode fazer renascer o fantasma da inflação

A inflação volta a preocupar as famílias brasileiras. Os artifícios usados pelo Governo Federal do PT para tentar camuflar a inflação e conter a alta dos juros, não estão sendo eficazes. Em fevereiro, o índice oficial atingiu 0,6% e superou as expectativas dos economistas. As projeções, feitas por especialistas e pelo próprio Banco Central, são de que haverá elevação da inflação ainda este ano e também em 2014.

A afirmação pode ser confirmada com a análise da ata da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, divulgada na última quinta-feira 14/03/2013. Em matéria veiculada no Jornal da Globo, o economista Carlos Alberto Sardenberg afirma que “desta vez o Banco Central vai aceitar uma inflação mais alta, pode ser que isto não aconteça em abril, e sim em maio”.

Para chegar à esta conclusão, Sardenberg acrescentou, em sua análise, uma frase que estava presente na ata da reunião do Copom divulgada em janeiro, mas que foi suprimida desta última. De acordo com ele, a frase resume a estratégia do Banco Central que é “assegurar a convergência da inflação para trajetória de metas, o que exige pronta correção de eventuais desvios em relação a essa trajetória”.

Na frase acima, dizer “pronta correção” é o mesmo que dizer aumento da taxa de juros e dizer “eventuais desvios” é o mesmo que dizer que a inflação ficará acima da média, explica Sardenberg.

“Nossa história com a inflação é dramática. Ela corrói o poder de compra dos brasileiros”, diz a deputada Luzia Ferreira (PPS), do Bloco Transparência e Resultado da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) que lembra, “quem é da minha geração sabe que a inflação no Brasil era assustadora. Quem ganhava um ou dois salários mínimos chegava no meio do mês e não tinha mais o mesmo poder de compra que tinha no início”.

Luzia se mostra bastante preocupada com o descontrole do Governo Federal na área econômica. Para ela, “o principal mecanismo de transferência de renda não é o bolsa-escola ou o bolsa família, e sim a inflação controlada”.