28 de junho de 2012

Deputados querem fiscalizar obras e dinheiro que não chegou do governo federal para chuvas

Os principais pontos que vão nortear os trabalhos da Comissão Especial das Enchentes da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) foram definidos nesta quinta-feira 28/06, durante reunião da Comissão. Entre eles estão a fiscalização da aplicação de recursos repassados para as prefeituras, o trabalho de prevenção de desastres e o acompanhamento das obras de reconstrução das áreas afetadas pelas chuvas que todo início de ano atingem o Estado. A Comissão terá 60 dias para concluir os trabalhos e será presidida pelo deputado Arlen Santiago (PTB), do Bloco Transparência e Resultado da ALMG.

Durante a reunião o vice-presidente da Comissão, deputado Gustavo Corrêa (DEM) lamentou mais uma promessa do Governo Federal do PT não cumprida. “Em janeiro a presidente Dilma Rousseff prometeu liberar R$ 100 milhões de reais para obras de recuperação dos estragos ocasionados pelas chuvas no Estado, mas até hoje nenhum real chegou aqui”.

Fica claro que a “ajuda” prestada pelo Governo Federal do PT em nada resolveu os problemas urgentes de Minas Gerais, mesmo diante do caos vivido ano a ano a presidente, mais uma vez, se mostrou insensível aos problemas que assolam os mineiros.

Faremos “um planejamento estratégico para que o Governo Federal, que é o maior arrecadador de impostos, possa ajudar Minas Gerais a acabar com esta chaga que atinge o Estado a cada ano que começa”, disse Arlen Santiago ao explicar que o relatório final da Comissão vai apontar as cidades mais atingidas pelas chuvas e as obras que precisam ser executadas com urgência.

 

Leia mais:

Descaso com tragédia causada pelas chuvas: Governo Federal do PT destina verbas insuficientes para Minas Gerais

Favorecimento político: Pernambuco, estado do ministro Fernando Bezerra, fica com 90% das verbas antienchentes