14 de novembro de 2012

Deputados da Comissão das Enchentes da ALMG destacam pouco caso do Governo Federal

Minas Gerais foi um dos Estados que mais sofreu com as enchentes no ano passado. O Governo Federal do PT muito anunciou mas pouco fez para socorrer os municípios. De acordo com o deputado Arlen Santiago (PTB), do Bloco Transparência e Resultado, a atitute de prometer verba para reconstruir as cidades e não enviá-la é desleal, fato ainda mais agravado pela concentração tributária nas mãos da União.

“Os municípios estão vivendo uma situação de deslealdade do Governo Federal com o municipalismo e com os prefeitos. Estamos vendo que o Governo Federal tira recursos do imposto de renda, tira recursos do IPI que são recursos que compõem as receitas compartilhadas e não tira nenhum recurso do IOF. Se ele desse isenção de IOF para as montadoras ao invés de reduzir o IPI dos carros com certeza os municípios teriam menos problemas. O Governo Federal é o grande arrecadador, com 70%, e os municípios estão em petição de miséria. Estamos vendo isto em todas as áreas”, criticou o parlamentar.

A franca atuação do Governo Federal para ajudar Minas Gerais foi ressaltada durante apresentação do relatório final da Comissão de Enchentes da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) realizada nesta terça-feira (13/11/12). O documento apontou que desde a sua criação, em 29 de março deste ano, a comissão realizou oito audiências públicas e aprovou quase 40 requerimentos sem participação alguma de representantes dos Ministérios das Cidades e da Integração Nacional o que teria prejudicados os trabalhos. “O Ministério da Integração Nacional não mandou nenhum representante aqui para discutir o que poderíamos fazer com a questão das verbas que são prometidas, que saem na mídia. Há um descaso total do Governo Federal com os Municípios”, lamentou.