28 de agosto de 2013

Debate público na ALMG faz reflexão sobre 30 anos do Conselho da Mulher e igualdade de gêneros

A luta contra a violência física e sexual, a igualdade de gêneros no mercado de trabalho e na sociedade e a necessidade de uma maior participação nas casas políticas são os grandes desafios para as mulheres em Minas e no Brasil. Os temas foram apontados durante o Debate Público Avanços e Desafios na Articulação e na Formulação de Políticas Públicas: 30 anos do Conselho Estadual da Mulher, realizado na manhã desta segunda-feira (26/8/13) pela Comissão de Participação Popular da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).

Os participantes refletiram sobre a trajetória do conselho e sua função na atualidade. A deputada Luzia Ferreira (PPS) lembrou que o conselho mineiro foi pioneiro no Brasil. De acordo com ela, no processo de redemocratização, as mulheres tiveram participação efetiva, quando discutiram a igualdade de gêneros e conseguiram que o governo reconhecesse a desigualdade entre homens e mulheres. “A Constituição de 1988 tornou lei os direitos plenos das mulheres. Conseguimos ser respeitadas pela sociedade, mas, apesar de sermos 50% do mercado de trabalho, ainda ganhamos menos. Esse é ainda um desafio”, ponderou.

A deputada Ana Maria Resende (PSDB) lamentou a violência contra a mulher. A parlamentar acredita que apesar de haver leis que visam a coibir o problema, os índices aumentam. “A questão é cultural, do tempo em que a força bruta dominava o mundo. As mulheres têm que construir uma nova cultura de paz e respeito, com a participação efetiva do governo neste processo”, cobrou.