1 de agosto de 2012

Criadores de cabras e ovelhas são beneficiados com aprovação de projeto de lei estadual

Até pouco tempo atrás uma lei federal exigia que pequenos e grandes produtores do queijo minas artesanal feito a partir do leite de cabra e de ovelha seguissem os mesmos critérios na fabricação do produto, a regra levava muitos produtores a agirem na informalidade. As reivindicações do setor de caprinocultura e ovinocultura foram ouvidas pelos parlamentares da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) que elaboraram e aprovaram o Projeto de Lei (PL) 636/11. Agora os pequenos produtores podem colocar seus produtos nas prateleiras dos supermercados sem preocupações.

O PL de autoria dos deputados Antônio Carlos Arantes (PSC) e Fabiano Tolentino (PSD), membro do Bloco Transparência e Resultado da ALMG estabelece normas diferenciadas para os produtores artesanais, uma das principais mudanças está no processo de pasteurização. A nova legislação permite a utilização da pasteurização lenta no beneficiamento do leite para o consumo humano, este processo reduz custos para os criadores.

Fabiano Tolentino comemora e diz que a aprovação do projeto “traz solução para os produtores. É importante que a Assembleia discuta estes temas, elabore e aprove projetos que deem condições para os pequenos e grandes produtores”.

Minas Gerais tem cerca de 2 mil criadores de cabras e ovelhas. De acordo com a Escola de Veterinária da Universidade de Minas Gerais (UFMG) é no Estado que está concentrada a maior bacia leiteira de caprinos da região Sudeste, com destaque para as regiões da Zona da Mata e Sul de Minas.