20 de junho de 2012

Comissão debate financiamento para políticas públicas de combate ao crack

A Comissão Especial para o Enfrentamento do Crack da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) tem realizado diversas audiências públicas na capital e no interior do estado a fim de avaliar o impacto que a droga está causando em Minas Gerais, colher propostas para criar políticas públicas capazes de reduzir os problemas relacionados ao uso do crack e promover a recuperação dos usuários. Na tarde desta terça-feira (19/06), a Comissão se reuniu novamente, desta vez para abordar o financiamento para as políticas públicas de combate às drogas. A audiência foi realizada no Auditório da ALMG.

Durante a audiência o presidente do Conselho Estadual Antidrogas de Minas Gerais (Conead), Aloísio Andrade disse que a prevenção integral é a única prevenção verdadeira, ela deve ser feita para tudo que prejudica a qualidade de vida do ser humano como a gravidez indesejada, o sexo precoce, o uso de drogas. A prevenção integral envolve a sociedade que cria seus filhos em uma cultura baseada em valores éticos, morais e espirituais.

Para Aloíso a prevenção é um processo de longo prazo enquanto o tratamento é urgente, por isso é necessário um investimento de curto prazo. Ele criticou os anúncios de iniciativas na área de dependência química que ficam apenas na teoria e não vão acontecer na prática. “O ex-ministro da Saúde, Temporão anunciou 168 milhões de reais para o combate ao crack em setembro de 2010, e este dinheiro não chegou. Em junho de 2011 anunciou 400 milhões de reais e este dinheiro também não chegou. Agora a Dilma anunciou um volume enorme de dinheiro até 2015, mas maior parte está voltada para as fronteiras que é uma área mais específica da Polícia Federal”, desabafou Aloíso.