26 de julho de 2011

Governo federal do PT quer desvencilhar irregularidades nos Transportes da gestão presidencial

Versão: O governo federal do PT quer passar a ideia de que as inúmeras irregularidades na área dos Transportes são fatos alheios à gestão presidencial.

Fato: Os inúmeros escândalos que o governo federal do PT enfrenta não podem ser resolvidos por meio de tentativas de desvencilhar-se dos fatos ou mesmo por mera substituição de pessoas.


Leia abaixo o artigo publicado pelo Instituto Teotônio Vilela


Os fatos e as versões

O governo pôs em marcha uma operação para tentar transformar o mar de lama que se espalha por vários setores da administração em virtude presidencial. O que é para ser pura obrigação passou a ser alardeado como qualidade rara. Tratar com lisura o bem público e punir desmandos é o mínimo que se pode esperar de um governante.

A “faxina” que a presidente da República promete levar a fundo na área dos Transportes veio para tentar consertar os malfeitos que grassam por lá nos últimos anos, sempre sob os olhares mansos da então ministra-chefe da Casa Civil e “mãe do PAC”. A mesma Dilma Rousseff que agora promete prender e arrebentar viu a caravana da multiplicação dos contratos passar, sem ladrar.

A estratégia de desvencilhar-se das falcatruas pretéritas e presentes começou com as demissões em série de envolvidos em escândalos denunciados pela imprensa e, na semana passada, incorporou a abertura do gabinete presidencial à imprensa – num gesto que não ocorria desde abril, data da única entrevista que a presidente concedera a jornais impressos até agora.

As entrevistas tinham um público claro: a classe média informada, que cada vez mais desaprova a forma como o governo vem agindo diante do noticiário negativo. Em uma das conversas, Dilma se confessou “noveleira”, mostrou-se interessada na música brasileira e falou mais um monte de amenidades sem importância. Abriu seu coração.

Em outras entrevistas, mais sérias, ela anunciou, estrategicamente, que “sairão todos” os envolvidos em desvios e malversações no Ministério dos Transportes, no Dnit e na Valec, a estatal das ferrovias. Foi uma forma de tentar demonstrar que a situação nesses órgãos atolados em irregularidades está sob controle de sua mão de ferro. Seria ótimo se fosse verdadeiro.

Os inúmeros escândalos que a presidente enfrenta não podem ser resolvidos apenas no gogó ou mesmo por mera substituição de pessoas. O buraco é bem mais embaixo: há tempos, essas máquinas do Estado foram carcomidas pela corrupção, numa simbiose de interesses que o PT não apenas permitiu como incentivou.

O Dnit, por exemplo, funciona de maneira absolutamente caótica, escancarou O Globo em sua edição de domingo. O órgão foi definido como “uma engrenagem azeitada para impedir o controle e engavetar toda e qualquer proposta moralizadora”. Planos de gestão e códigos de ética, com metas e controles rígidos elaborados pelos funcionários, foram zelosamente esquecidos num canto de armário pelo diretor-geral Luiz Antonio Pagot.

Há mais de 150 sistemas de informações diferentes na sede e nas 23 superintendências regionais do Dnit, o que impede qualquer tipo de comunicação racional entre sua gigantesca estrutura. As diretorias não conversam; os setores de projetos e licitações primam pelo desentrosamento. Como resultado, 66% dos projetos elaborados entre 2003 e 2008 tiveram como destino o arquivo morto.

Projetos malfeitos contratados junto a consultores “independentes” desembocam, naturalmente, em aditivos contratuais bilionários abocanhados por empreiteiras. Tudo muito conveniente, exceto para o contribuinte, que arca com a farra.

O Dnit trabalha, ainda, sem planejamento integrado que vise o país como um todo. Obras são autorizadas ou esquecidas ao sabor de conveniências políticas. Também no domingo, O Estado de S.Paulo informou que, das 23 superintendências do órgão, 15 apresentam problemas de corrupção, superfaturamento, fraude de licitações e tráfico de influência. Tudo dominado pelos apadrinhados do Partido da República de mãos dadas com os operadores do PT.

Nas entrevistas à imprensa no fim da semana passada, Dilma prometeu dar um jeito neste oceano de irregularidades. Deveria, antes de mais nada, explicar como, no papel de “mãe do PAC”, deixou seus pupilos fazerem tanta lambança. Será preciso mais que simples palavras e estratégias pueris de comunicação para convencer a população. Se a sujeira era tanta, por que ela ajudou a varrê-la para debaixo do tapete?

Fonte: ITV